“Estou feliz da vida”. Essa foi a expressão da diarista e também aluna Sônia Maria Silva ao entrar em um supermercado de Ananindeua para fazer as compras com o benefício de R$80 ofertado pelo Governo do Estado aos alunos da rede pública estadual. Além do cartão dela, Sônia tem ainda dois filhos estudantes que também foram beneficiados com o vale alimentação. A sexta-feira (31) foi de compras para ela e muitos outros pais e alunos que foram utilizar seus vales nos supermercados credenciados. Sônia levou os filhos para também escolherem os itens do carrinho. “Claro que alimentação é prioridade, mas eles escolhem outros itens também”, diz a mãe.

No setor de frutas e verduras do supermercado estava a dona de casa Dália Gabriela. Ela é mãe de um aluno do 7º ano na Escola Estadual Paraense. O marido trabalha com reforma de estofados e viu a freguesia cair bastante nesse período de pandemia. Dali diz que o vale ajuda bastante nas compras. “Ajuda sim. A gente sempre prioriza alimentação. Nesse momento que a renda de casa caiu muito e esses R$80 vieram em boa hora”, afirma.

Enchendo o carrinho pelos corredores, João Gaia ia utilizar os dois cartões que ele teve direito, por ter uma filha e uma sobrinha estudantes da rede estadual. “Carne e frango sempre devem fazer parte das compras, a alimentação é prioridade”, lembrou o pai. 

Quem optou por ir logo cedo nesta sexta (31) ao supermercado foi a dona de casa Zuleide Moreira. Ela afirma que deu até pra comprar os itens de maior necessidade e também de lanches para os filhos. “Claro que coloquei o essencial, mas incluí também alguns produtos que eles adoram: biscoitos, esquilhos e outras coisas. Não me esqueci também dos itens de limpeza, que estamos usando muito nessa época de pandemia”, finaliza.

A terceira recarga do vale-alimentação vem movimentando os supermercados credenciados de todo o Pará desde a última quinta-feira (30), quando o auxílio foi liberado pelo governo do estado para os 575 mil alunos matriculados na rede estadual de ensino.

Texto: Caio Condurú – Ascom Seduc

Por Leidemar Oliveira (SEDUC) / Agência Pará