LIXO NAS ILHAS

Sesan reúne com lideranças das ilhas de Belém para debater coleta e destinação do lixo

Sesan reúne com lideranças das ilhas de Belém para debater coleta e destinação do lixo

Sesan reúne com lideranças das ilhas de Belém para debater coleta e destinação do lixo

Sesan reúne com lideranças das ilhas de Belém para debater coleta e destinação do lixo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

A Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) realizou nesta sexta-feira, 12, uma reunião com lideranças das ilhas de Belém para discutir sobre o manejo, coleta e transbordo de resíduos na região insular da capital – após anos de descaso e falta de diálogo com as gestões anteriores da Prefeitura Municipal. Participaram do encontro membros do Grupo de Trabalho de Educação Ambiental (GTEA) e do Departamento de Resíduos Sólidos (DRES), da Sesan, além de presidentes de sindicatos e associações e de donos de restaurantes.

De acordo com o diretor-presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Belém, Pedro Ferreira, o principal problema é a ausência da coleta regular de lixo nas ilhas. Atualmente, apenas a ilha de Cotijuba e Mosqueiro recebem os agentes de coleta e por isso, ele apresentou como demanda a urgência da elaboração e implementação de um plano efetivo de coleta e destinação de resíduos sólidos nas ilhas.

“O lixo muitas vezes é enterrado, jogado no rio, queimado, e sabemos que isso não é correto. Quem tem condições, paga a própria gasolina e leva no barco para locais de descarte no bairro da Condor, atravessando o rio”, afirma Ferreira.

Ele também destacou que cuidar do lixo é cuidar da saúde das mais de 1.5 mil famílias que vivem nas ilhas e têm como subsistência a pesca e o extrativismo, e também a atividade comercial em restaurantes, com o aumento do fluxo de turistas sobretudo para a ilha do Combu. “Nos alegra saber que existe disposição e vontade. Todo mundo sabe que cresceu muito no Combu o número de restaurantes e não sabemos o que fazer com o lixo. Do jeito que está não dá pra ficar”, completou Pedro Ferreira. 

O coordenador do Grupo de Trabalho de Educação Ambiental (GTEA) da Sesan, Mauro Ribeiro, enfatizou a necessidade da abertura de diálogo e explicou que é necessário fazer um diagnóstico atualizado da situação do lixo nas ilhas, inclusive com a medição do volume de resíduos gerados na região. Ele também propôs uma visita técnica para avaliar o descarte do lixo na ilha do Combu na próxima segunda-feira, 15.

“A Sesan também fará um estudo sobre a melhor forma de coleta seletiva e vai fomentar a prática da compostagem com a comunidade. Outra demanda importante que vamos iniciar serão as ações de educação ambiental, que poderá incluir atividades lúdicas com os ribeirinhos”, complementa Mauro Ribeiro.

Fonte: Agência Belém

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin