O sistema imunológico é responsável por proteger o corpo da invasão de organismos patogênicos capazes de provocar doenças. Ingerir nutrientes específicos auxilia os mecanismos naturais de defesa, principalmente durante a pandemia de Covid-19. Especialistas da área de saúde orientam que alimentos não processados são os mais indicados. Na Ceasa (Centrais de Abastecimento do Pará) consumidores podem adquirir frutas e legumes da estação a preços mais acessíveis, em comparação a outros pontos de comercialização.

Rahilda Brito Tuma, coordenadora estadual de Nutrição da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), informa que a imunidade está diretamente relacionada aos hábitos alimentares. “Comprovadamente, os alimentos que provocam muitas doenças nas pessoas são os ultraprocessados, aqueles que recebem grande quantidade de conservantes, corantes, sal, açúcar e gordura.  As pessoas devem dar preferência no dia a dia aos alimentos naturais”, orienta.

Doenças crônicas não transmissíveis, segundo a especialista, são hipertensão arterial, colesterol e triglicerídeos altos, diabetes, obesidade e câncer, que em alguma medida possuem componentes ligados à ingestão desequilibrada de nutrientes.

Segundo Rahilda Tuma, cada faixa etária exige cuidados no preparo dos alimentos e na dieta. Ao nascer, por exemplo, a criança conta com o leite materno, dotado de toda a nutrição necessária até os seis meses de vida. A alimentação vai mudando, principalmente no que se refere à consistência, para a boa mastigação até a vida adulta, sem excessos. E os cuidados aumentam novamente na terceira idade, quando o indivíduo apresenta mais comorbidades.

Rahilda Tuma alerta que, durante a pandemia, a atenção à imunidade é importante, mas outras patologias continuam coexistindo. “Especialmente na Região Norte, doenças são veiculadas através do alimento, como o açaí, riquíssimo antioxidante que fornece energia, mas se for feito com a qualidade higiênica precária pode causar doença de Chagas, que é silenciosa e mata. Então, quando se fala em alimentação tem a qualidade nutricional, mas também tem um componente importante que é a qualidade de higiene sanitária, que também precisa ser observada. Outras doenças, como a cólera, as diarreias, as infecções alimentares por Salmonelas, tudo continua acontecendo e não depende só da qualidade nutricional”, informa a coordenadora. 

Fortalecimento – Residindo com a mãe e o avô, o publicitário Kaleb Keoma conta que a família voltou a priorizar alimentos mais naturais. “Tivemos que mudar os nossos hábitos alimentares por conta dessa pandemia, consumindo mais frutas, legumes e verduras para fortalecer nosso corpo, ajudar a crescer a nossa imunidade e fazer com que se, caso pegássemos o coronavírus, os sintomas não fossem tão fortes. Isso ajudou tanto para combater o vírus da Covid-19 quanto qualquer outra doença. Ninguém contraiu nenhum tipo de doença, nem gripe e nem resfriado”, garante.

A mãe de Kaleb tem uma fruteira e, há mais de dez anos, parte dos produtos adquiridos na Ceasa para a venda também vão para consumo próprio. “Lá os produtos vêm diretamente do produtor, principalmente do produtor local, e o que vem de fora acaba sendo bem mais em conta do que se fosse comprar no supermercado, por exemplo. Então, além de estar ajudando o produtor local, nós estamos comprando também os produtos mais baratos porque lá é a fonte”, acrescenta o publicitário.

Segundo o presidente da Ceasa, José Scaff Filho, “fazer com que as Centrais de Abastecimento estejam em pleno funcionamento é essencial para garantir que a alimentação de qualidade esteja presente na mesa do consumidor. Somos um importante espaço no abastecimento da Região Metropolitana. Estamos presentes em feiras e comércios, além de ações diferenciadas que a Ceasa busca adotar com foco no objeto central de nossa atividade, que é a alimentação”.

Vantagens da safra – A nutricionista da Ceasa, Wenia Lira, diz que no local, além dos preços acessíveis, é possível aproveitar o potencial nutricional das frutas da estação, como abacaxi, banana, caju, laranja, maçã nacional fuji, maracujá, acerola e tangerina. “Quando você consome frutas da estação, está ingerindo o alimento com todo o seu potencial. Todas as vitaminas e minerais que fazem parte das frutas estão presentes em sua totalidade, na sua época certa de produção”, acrescenta Wenia Lira.

Ela enfatiza que as frutas são colhidas no seu tempo certo, o que proporciona muito mais sabor e maior concentração de nutrientes, além de não necessitarem de agrotóxicos e estimulantes na produção. Por essa razão, é sempre bom observar a sazonalidade dos alimentos. “Se por um lado consumir frutas da estação traz benefícios para sua saúde e para o seu bolso, quando você compra e consome frutas fora da época está levando para casa toda a manipulação não natural que é feita pelos produtores”, informa a nutricionista, reforçando que o sistema imunológico está constantemente ativo, descobrindo quais células pertencem ou não ao corpo. Isso significa que o sistema imunológico precisa de uma dose saudável de vitaminas e minerais para manter sua energia ativa.

As frutas da estação são cultivadas e colhidas em maior quantidade, e assim como tudo na economia, quando a oferta é grande o preço cai. Além disso, a nutricionista explica que alimentos da safra são mais gostosos, mais acessíveis e com mais nutrientes, e podem ter sabores diferentes em estações variadas. 

As frutas sazonais contêm menos agrotóxicos, pesticidas e fertilizantes durante o cultivo, garantindo uma alimentação mais saudável, “pois elas contêm menos aditivos químicos, maior abundância do produto e menor impacto ambiental”.

Nutrientes – Dentre os alimentos da estação, ela destaca o abacaxi como fonte de vitamina C, vitamina B6, manganês e cobre, além de apresentar um composto ativo muito importante, a bromelina. “Todos esses nutrientes aumentam a imunidade e eliminam as inflamações do corpo”, acrescenta a profissional.

A laranja também é composta por vitaminas A, B e C, cálcio, magnésio, potássio, fósforo, colina e outros nutrientes. A acerola é importante para manter o funcionamento do sistema imunológico e ajudar o organismo a combater infecções e vírus, e se fortalecer para combater câncer.

A nutricionista indica um suco preparado que pode ajudar na imunidade. Antes do preparo, porém, é importante lavar bem os produtos que serão utilizados, e depois de pronto não coar, para melhor aproveitamento de fibras e nutrientes. A receita rende um copo e deve ser consumida logo em seguida, pelo menos uma vez ao dia.

Suco de laranja com acerola e gengibre 

Preparo: Bater no liquidificador uma laranja sem casca, picada em cubos, ½ copo de acerola sem caroço, um pedaço pequeno de gengibre e 200 ml de água gelada. 

A laranja oferece vitamina C, enquanto acerola ajuda a manter o funcionamento do sistema imunológico e o gengibre tem funções anti-inflamatórias e expectorantes. O gengibre, porém, não é indicado para hipertensos.

Por Dayane Baía (SECOM) / Agência Pará